EM BUSCA DO FKT

Data da postagem:

EM BUSCA DO FKT

DATA DA POSTAGEM: 13/04/2021

Desde o nascimento de aplicativos como o Strava, Run Keeper ou Map My Run, por exemplo, temos conseguido unir cada vez mais a tecnologia com a prática esportiva. De acordo com Michael Hovarth, um dos fundadores do Strava, o aplicativo foi desenvolvido com o intuito que seus usuários saíssem mais de casa, se afastassem da televisão, computadores e celulares, tornando-se mais ativos e saudáveis.

Neste caso, o aplicativo nunca teve como objetivo estimular a competição ou que seu usuário se tornasse um atleta olímpico, porém, com sua evolução, alguns ajustes foram acontecendo. Entre eles, a definição de segmentos em diferentes locais de nosso país, estado, cidade, bairro e até mesmo em nossa rua de casa, estabelecendo nossos próprios recordes e, muito importante, compartilhando este “recorde” com o mundo todo. Quem quiser se aventurar que tente quebrá-lo!

Com a pausa nas competições durante a pandemia, procuramos formas e meios de continuarmos treinando e evoluindo. Isso fez com que a procura pelos próprios recordes pessoais ganhasse ainda mais força. O termo FKT vem do inglês, “Fastest Know Time”, traduzindo, o tempo mais rápido reconhecido, seja numa trilha, numa ascensão de montanha, numa estrada com distância específica ou no próprio segmento.

Isto não é novidade, lembrem que em 2016 a brasileira Fernanda Maciel estabeleceu o FKT de subida e descida do Aconcágua, percorrendo a rota em 22h52min, sendo superada em 2018 pela equatoriana Daniela Sandoval com 20h17min.

Em 2017, o espanhol/catalão Kilian Jornet foi ainda mais longe, realizando a ascensão mais rápida da história do Monte Everest, saindo do campo base até o cume, em apenas 17 horas.

No Brasil, entre os meses de novembro e dezembro de 2020, tivemos a realização da One Hundred Run, prova inovadora com trajeto de 100 milhas, realizada numa belíssima região serrana do estado do Rio de Janeiro. Atletas convidados se dividiram em diferentes finais de semana em busca do recorde do percurso. Com incríveis 14h45min, Iazaldir Feitosa se tornou o campeão no masculino e a ultramaratonista Drica Rosa estabeleceu o melhor tempo na categoria feminina, com 20h43min.

A tendência é que provas e desafios como estes aconteçam cada vez mais, principalmente no ano de 2021, onde competições de larga escala dificilmente serão autorizadas pelas autoridades competentes.

Como treinador, procuro motivar os atletas com desafios pessoais, para que sempre estejam em busca de sua evolução. Em tempos tão difíceis, precisamos manter o corpo e a mente saudáveis, então, nada melhor que sempre estar em busca do seu próprio FKT.

Um abraço a todos,

Raphael Bonatto

Treinador – Go On Outdoor